sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

Ensaio sobre a cegueira (nota 9)

Muito bom esse filme, mas dá para entender a polêmica... O Fernando Meirelles realmente é um diretor incrível. Ele sabe conduzir uma história no limite da tensão e angustia. As atuações da Julianne Moore e Mark Rufallo são convincentes. Mas de fato não é um filme fácil. Além da realidade claustrofobica que vai se construindo para os personagens, a forma como o filme foi desenhado desconcerta o espectador. O jogo da iluminação e fotografia é um espetáculo a mais no filme e contribui para dar o climão que se espera.

A curiosidade fica por conta de ver São Paulo em versão "filme de zumbi." As cenas de uma São Paulo abandonada chamam a atenção por duas razões, a primeira é ver em um filme hollywoodiano se passar na nossa cidade e a outra é pensar como que eles conseguiram esse milagre de liberar locais tão povoados quanto viaduto do chá, minhocão, etc.

4 comentários:

crislagatta disse...

oi^^

Qto ao viaduto do chá e o minhocão, eu nem percebi se eram eles.. mas boa parte das filmagens foram feitas na ponte estaiada, na época que ela era construída.

E tem muitas cenas externas que foram gravadas nos istêitis mesmo... percebe-se isso pelas vitrines e pelos carros...

fabio disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
fabio disse...

Esse milagre se chama composição digital: Pessoas e carros indesejáveis são apagados enquanto o lixo é multiplicado e são intoduzidos novos elementos que ajudam a descaracterizar um pouco a cidade. Para isso filmaram com uma Vista Vision 64mm!! Animal! Melhor que isso só as referêcias a pinturas de Brueguel e Lucien Freud. Pega essa: http://blogdeblindness.blogspot.com/

Mari disse...

Este filme é SENSACIONAL! Posso estar falando besteira, mas na minha opinião é o melhor do Meirelles. Escrevi no meu blog sobre ele na época. Já viu?!

Bjão!!!!